Proposta pelos deputados Carlos Búrigo (MDB) e Elton Weber (PSB), audiência pública realizada nesta terça-feira, 27, na Assembleia Legislativa, lotou as dependências do Plenarinho, que recebeu professores, pesquisadores, estudantes do Ensino Fundamental, vereadores e prefeitos de dez municípios, todos empenhados em incluir no currículo escolar a disciplina de línguas e culturas regionais.

Falantes de nove das 220 línguas indígenas e de imigração existentes no país querem o apoio do Parlamento para que a demanda possa ser amplamente debatida na Casa, tornando-se lei, evitando o fim das identidades locais com o tempo. Dialetos como o Talian, herança dos antepassados italianos da Serra, está na lista de idiomas que pleiteiam a formalização junto à escolas.

Para Búrigo, as iniciativas são essenciais para manutenção não só de línguas e culturas, mas também das tradições. “Deixar vivas, nos currículos escolares, línguas que ajudaram a construir o nosso país é deixar vivo o que nos orgulha.
Língua, dialeto, costumes. Se não houver um espaço para repassar a tradição dos nossos antepassados, tudo isso vai morrer”, avaliou o parlamentar.

Ficou marcado já para o mês de setembro novo encontro de trabalho para iniciar a construção do projeto que pode culminar na inclusão da disciplina em escolas do RS.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *